#SemanaSentinela - A Origem da História

Para começar bem o dia, estamos fazendo essa postagem especial e vamos fazer duas postagens hoje. Espero que todos gostem!! Fiquem com as palavras da autora...

 
Nas entrevistas na época do lançamento do Ciclo da Morte me perguntaram se ele tinha sido meu primeiro livro escrito. Falei que não, que antes disso tinha escrito algumas coisas numa outra ambientação, o meu “mundo” mais velho. O mundo de Sentinela é exatamente esse primeiro mundo que eu criei, apesar de Sentinela não ter sido a primeira história escrita nele.

Comecei a criar esse mundo quando tinha uns 10, 11 anos e estava viciada em tudo que tinha a ver com espaço. Meu sonho na época era estudar astronomia, e tinha um amigo que queria ser astrofísico. Níveis de nerdice lá nas alturas. Mas eu já era viciada em histórias fantásticas, e acabei mesclando essas duas paixões. 

Pouco depois disso comecei a ler O Senhor dos Anéis. O resultado foi que o que era o começo de uma historinha pequena, em um mundo que era coisa louca de cenário de fantasia em ambientação espacial, tomou proporções épicas. Comecei a esboçar uma linha do tempo, as várias eras, o que havia mudado de uma época para outra... E nesse meio tempo aquela primeira história começou a tomar forma.

A história virou uma trilogia, que virou um quarteto, que voltou a virar trilogia, e que foi reescrita tantas vezes que já perdi a conta. Engavetei. Mas o mundo nunca parou de crescer na minha cabeça. No meio do caminho conheci a série Darkover, e comecei a trabalhar mais o conceito das épocas diferentes, como o que era história, fato conhecido, acabaria se transformando em lenda, descobertas e conhecimentos que iam se perder... Às vezes eu sentava e começava a imaginar cenas rápidas em cantos esquecidos, coisas que não tinham nada a ver com a história principal. 

E foi no meio dessa brincadeira que percebi que tinha uma parte da minha linha do tempo que não fazia nenhum sentido. Um povo que mudava totalmente suas lealdades, sem nenhum motivo. Aquilo ficou batendo de um lado para o outro na minha cabeça, uma pergunta sem resposta muuuuito chata, até que apelei e resolvi começar a escrever.

O começo custou a fluir. Precisei de mais de cinco capítulos para perceber que a história PRECISAVA ser um romance. E mesmo assim o livro só começou a render quando um amigo me mandou uma música da banda dele. Sentinels of the Starry Skies (e sim, a música é o motivo do título mesmo). De forma geral, a música não tem muito a ver com a história, mas alguns versos fizeram sentido perfeitamente, e me deram a guia que eu precisava para render.
E aí a história rendeu, os personagens apareceram... E o que era para ser um conto virou um quarteto. 

Convite Oficial do Book Tour AQUI

Link para o formulário de inscrições: AQUI
Evento virtual + Surpresa : AQUI

4 comentários:

  1. Também sou louco por tudo que tem a ver com o espaço, acho tudo tão incrível e diferente que me deixa hipnotizado *-* Sua história de como você começou a escrever o livro Sentinela é fascinante, não só por ter terminado o livro em menos de 2 meses, mas também por você ter muita criatividade para fazer um romance inspirado no espaço! Estou adorando conhecer um pouco mais sobre você e também sobre o livro Sentinela <3

    ResponderExcluir
  2. Oie, Matheus!
    Adorei o modo como a autora começou a construir o mundo de seu livro. Se um dia eu publicar o meu, deixarei bem claro que não tenho ideia de onde veio a criação do universo da minha obra HAHAHAHA ma que ler Jogos Vorazes ajudou bastante!
    Tem post novo aguardando você no MeL!

    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando

    ResponderExcluir
  3. Tenho muita vontade de conhecer mais sobre o espaço.
    É muito bom ter inspirações para escrever coisas novas,e ela começou tão nova para imaginar um mundo totalmente diferente.Ótimo trabalho

    ResponderExcluir